CPI da COVID: chicotes para uns, afagos para outros

Tempo de leitura: 3 minutos

8 / 100 SEO Score

A CPI da COVID, instalada no Senado Federal, afastou de seu mister investigar ações e omissões do governo federal e desvios das verbas repassadas para os estados e municípios, dando azo, infelizmente, a palco para politicalha.

A expressão utilizada pode parecer pesada, mas quando a casa maior do Congresso Nacional, imbutida da missão constitucional de fiscalizar, com poderes próprios das autoridades judiciárias, distancia-se de sua atribuição para fazer palanque eleitoral futuro, não há outro adjetivo a ser empregado.

Ao que transparece, alguns senadores estão utilizando das sessões televisionadas com o intuito, apenas, de atacar o governo federal e fazer palco midiático.

Depoentes, sejam convidados ou testemunhas, com opiniões que divergem dos oposicionistas, têm sido duramente desrespeitados em suas falas. Imputam a eles a pecha de mentirosos, desqualificam sua formação profissional, a exemplo do ocorrido com a doutora Nise Yamaguchi. Testemunhas chegaram a ser ameaçadas de prisão, no intento claro de medrá-las e trazer instabilidade emocional.

Em 16 de junho, prestou depoimento na CPI, na condição de convidado, o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, amparado por uma liminar do Supremo Tribunal Federal que o dispensava de fazer juramento, responder às perguntas e deixar a sessão da CPI quando lhe aprouvesse, o que veio a ocorrer.

A sessão iniciou com um discurso de autodefesa do governador, que criticou magistrados, procuradores da República, Polícia Federal e autoridades que decidiram por seu impeachment (deputados e desembargadores do RJ), o que denominou como sendo um tribunal de exceção, com pitadas de acusações ao presidente da República e seus familiares.

O ex-governador, ainda, sugeriu à Comissão Parlamentar de Inquérito que abrisse uma investigação contra aqueles que o investigaram e o acusaram de desviar dinheiro em seu governo, leia-se o Ministério Público e a Polícia Judiciária, reservando-se o direito de responder a algumas perguntas em uma sessão secreta.

Não conheço os autos do processo do impeachment do ex-governador para fazer qualquer juízo de valor. Os processos criminais nos quais fora denunciado estão iniciando, sendo, portanto, compreensivo, apesar de não ser o foro adequado, seu discurso de defesa, mesmo porque estava salvaguardado por habeas corpus para não ter que responder a verdade que o autoincriminasse.

O que é por todo incompreensivo foram as perguntas elaboradas pelo relator, Renan Calheiros, que fugiram quase a totalidade do escopo da CPI. As perguntas basearam-se nas entrevistas do passado, na qual Wilson Witzel dissera que havia provas contra o senador Flavio Bolsonaro, tratou de apoio de eleições, se houve operação política da Polícia Federal, entre outras.

O próprio presidente da CPI, Omar Aziz, concordou que aquelas perguntas nada tinham a ver com a COVID, mas que eram perguntas do relator, não poderiam ser indeferidas.

A lhaneza com que o Witzel fora interrogado pelo relator causou estranheza. Renan apresenta seu chicote para aqueles que divergem de sua opinião e afaga os que falam o que ele quer ouvir.

Após Witzel discursar sua defesa contra tudo e contra todos, ser tratado como vestal pelo relator, receber os afagos dos parlamentares oposicionistas, acusar procuradores, policiais e magistrados, ao se deparar com o primeiro enfrentamento levantou-se, fechando as cortinas do palco CPI, prometendo prestar novo depoimento, porém com as cortinas cerradas

BADY ELIAS CURI NETO
Últimos posts por BADY ELIAS CURI NETO (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *